Banner Transmissão Ao Vivo

A tarde do segundo dia do X Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância (ESUD 2013) foi marcada por várias discussões acerca de políticas públicas, estratégias de avaliação, além de análises de experiências na área de educação a distância.
 
No Centro de Eventos Benedito Nunes, às 14h, o painel de debates com o tema “Políticas Públicas e o Futuro da Educação a Distância” contou com a participação do professor Marcello Ferreira, da Coordenação-Geral de Programas e Cursos em Ensino a Distância (CGPC-CAPES). Ele fez uma retrospectiva das políticas públicas nacionais para a Educação Superior a Distância, assim como destacou aspectos positivos e negativos do cenário atual da área e apontou tendências.
 
Em seguida, a professora Maria Luisa Furlan Costa, presidente nacional do Fórum de Coordenadores da Universidade Aberta do Brasil (UAB) assumiu a fala. Ela relembrou perspectivas e desafios da EaD, como o combate à evasão de alunos, por exemplo, e indicou algumas proposições para o futuro, como a revisão crítica dos referenciais de qualidade para a Educação Superior a Distância.
 
Na terceira parte do painel, a professora Lúcia Franco, presidente da Associação Universidade em Rede (UniRede), coordenou a mesa de debate e iniciou a sessão de perguntas. Professores e pesquisadores de diferentes instituições de ensino fizeram questionamentos sobre temas como o compartilhamento de disciplinas entre universidades diferentes e a organização do ensino a distância em cidades do interior dos estados.
 
Conferências
Às 16h30, começou a videoconferência “Dinâmicas da avaliação/aprendizagem em ambiente online”, ministrada pela professora Ana Jorge Balula Pereira Dias, da Universidade de Aveiro (Portugal) e coordenada pela professora Sonia Schechtman Sette, da Universidade Federal de Pernambuco. De acordo com a professora Ana Dias, a integração de ensino, aprendizagem e avaliação é a base para a eficiência de um ambiente educacional online. Além disso, atuar em tais espaços virtuais permite que alunos e docentes desenvolvam a competência de trabalho em rede, aprimorando o processo de aprendizagem.
 
A conferência “Sistema Integrado de Educação Rompendo Fronteiras”, ministrada pelo professor Carlos Bielschowsky, presidente da Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cecierj/Consórcio Cederj), teve início às 17h30. O professor reforçou a importância de se investir na Educação de Jovens e Adultos (EJA) presencial e a distância, alcançando tanto o ensino básico como a universidade. Como demonstração desse propósito, ele apresentou o trabalho de Centros de Estudos de Jovens e Adultos (CEJA) no estado do Rio de Janeiro. Um CEJA é uma escola de educação semipresencial que oferece a jovens e adultos a possibilidade de completar a escolaridade nos níveis fundamental e médio. Já na área de ensino superior, o conferencista apresentou o consórcio Cederj, que reúne universidades públicas do Rio de Janeiro com o objetivo de contribuir para a interiorização do ensino superior público em todo o território estadual.